13 de agosto de 2011


Acordei.
E andei em passo de pé de olho
desse olho que minha mãe diz que não tenho no pé
porque tropeço nas coisas até com o olho da cara aberto.
Olhei.
Vi em cor de textura seca
da mesma que a professora de fotografia
disse que era cor e que era luz
e que com o olho (da cara, e não do pé)
dava pra colorir um certo papel.
Falei.
Fiz o que é de academia e é louvável
porque a língua do homem
louva umbigos que brilham.
Parei.
É que tropecei (o olho do pé sempre fechado) num treco
que parecia em forma de eco
reverberando tal qual meu ego
sons que meu pé cego sempre chuta.
Voltei.
O olho do pé marejou, confuso
porque nada daquilo fazia sentido
quando o despertador tocava pela manhã.

Acordei.
E andei em passo de olho de éter
que privado de si mesmo, alcançou
as planícies do outro lado do cosmos.
Olhei.
Vi em cores de sem nome
que a foto não tem cor daquilo que eu procurava
pra fazer a foto mais linda do mundo;
aquela luz não dá pra prender em papel.
Calei.
O verbo é muito mínimo perto de compreensões
que sequer compreendo
mas que - veja - minha alma reconhece
sem precisar de ouvidos.
Andei.
Não há por que parar - e tampouco voltar -
quando a luz do não-verbo do olho de éter
me inunda o peito, me puxa pra frente.

Acordei.
Não há peito.
Não há olho, pé ou verbo.
Só há o... veja só, não há verso que traduza.
.

4 bedelhos:

jhones passagem disse...

O verbo é muito mínimo perto de compreensões
que sequer compreendo
mas que - veja - minha alma reconhece
sem precisar de ouvidos.
Andei.
Não há por que parar - e tampouco voltar -
quando a luz do não-verbo do olho de éter
me inunda o peito, me puxa pra frente.( às vezes existem coisas que apenas podemos sentir e quando tentamos representar, tanto em imagens, textos, músicas, pinturas; não conseguimos, mas por que? Acho que é uma interpretação que somente a alma entende)

Iana Carolina disse...

Massa!

Rita Loureiro disse...

onw, teria tanto a te dizer depois disso, mas veja só, não há verso que traduza, só um reverso de abraço : *

Mel Andrade disse...

Nunca sei comentar quando é etéreo demais, pq será?

 

Copyright 2010 Verbo Intransigente.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.