15 de abril de 2011



I.
Metade da poesia é sentido secreto
que só o poeta sabe;
a outra metade é floreio indiscreto
pra você achar bonito.


II.
Cansaram-me todas,
toscas,
diversas, adversas,
oriundas e originárias
de sentidos quaisquer.
Bem-me-quer
mal-me-quer
tanto faz, ninguém a quer...
Minha poesia é pra mim mesma
e por mais belo que isso seja
meu ego fica puto!


III.
Tenho estado num misto (de)
intenso, (ex)tenso e lento
e meio dada a dada- e parnasian- ismos...
- Ah, ora bolas, se lhe agrada,
entupo-lhe as vias com dois litros de mesóclises!
Julgar-me-há? Com ou sem "h"?
Mas, desde já, me perdoo...
meu coração é grande.
E minha cabeça também;
porém
vazia.
.

3 bedelhos:

Lays Silva disse...

Menina... 'cê' tem noção de que tua poesia pode causar dilúvios? Inundam a alma (e os olhos)de qualquer um.

Isama Hali disse...

*-*
Brigada, fofinha! ^^'

Mel Andrade disse...

Então é pra comentar vamo comentar. A poesia I regaça loucamente, tá escrita no meu desktop e traduz toda minha prática poemática (não que ela seja extensa, mas vai por aew). Essa manola broca o/ *bata manola*

 

Copyright 2010 Verbo Intransigente.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.